Delegado Fernando Branco está à frente da investigação (Cred. Melissa Costa)

Estância Velha – A investigação sobre as mortes do ex-prefeito Elivir Desiam, o Toco, e da namorada Lúcia Bialoso Valença está na reta final. Com o extrato das ligações feitas e recebidas pelo ex-prefeito, o delegado Fernando Branco, que está à frente da investigação, conseguirá fazer um mapa das últimas horas de movimentação de Toco, entre Estância Velha e Imbé. No primeiro levantamento das chamadas, as mesmas também conferem com os depoimentos já prestados pela ex-companheira Sueli Lopes e pelo ex-coordenador de campanha, Maicon Schuh, com quem Toco conversou no sábado pela manhã, antes de ser encontrado morto em Imbé. Nos extratos, a polícia também viu uma terceira chamada feita por Toco e a pessoa será ouvida na próxima semana. A chamada tem 32 segundos e, por isso, ainda não há a confirmação se a mesma foi atendida.

DUAS LIGAÇÕES COMPLETAMENTE DIFERENTES EM INTERVALO DE 12 HORAS

Em entrevista ao Diário na semana passada, Maicon relatou as últimas conversas que teve com Toco. No sábado, pouco antes das 8 horas, a ligação durou cerca de 4 minutos, quando ele confessou ter matado Lúcia e relatou que estava no litoral para resolver o problema, dando a entender que se mataria. Maicon tentou acalmar o amigo, mas não conseguiu. Após isso, tentou contato com amigos e pessoas próximas e, em meio as ligações, o corpo de Toco e de Lúcia foram encontrados. Na sexta-feira à noite, como já relatado, Maicon também conversou com Toco, a trabalho e por telefone. A ligação ocorreu às 19 horas. Os dois conversaram somente sobre trabalho. Toco não demonstrou nenhuma preocupação além do assunto, diferente da tensão da manhã seguinte, pouco mais de 12 horas depois. São estas 12 horas entre as ligações que a polícia está mapeando. As ligações e os laudos da necropsia também irão ajudar a confirmar a hora da morte de Lúcia, que foi encontrada morta por volta das 10 horas de sábado, dia 29 de dezembro.

CELULARES NÃO FORAM ENCONTRADOS

Os aparelhos de celulares de Lúcia e Toco não foram encontrados e, por isso, a polícia conseguiu somente os extratos das chamadas feitas e realizadas pelo casal. A principal suspeita dos policiais é de que o ex-prefeito tenha jogado os aparelhos no mar. Todos os indícios e provas colhidas até o momento apontam para a principal hipótese desde o início: feminicídio seguido de suicídio.