Dois Irmãos – A moradora que por muito pouco não caiu no golpe do falso sequestro é uma idosa de 74 anos. Policiais militares chegaram na agência e conseguiram evitar que ela continuasse a negociação com os falsos sequestradores e depositasse dinheiro na conta deles. A aposentada estava almoçando com o companheiro de 79 anos quase recebeu a ligação. “Ele chegou a dizer o nome da minha filha. Agora, depois que tudo passou, não sei mais se cheguei a dizer. Mas na hora, achei que eles pudessem mesmo estar com ela sequestrada. Me ordenaram a não desligar a o telefone. Falei que não tinha muito dinheiro, somente do médico e dos remédios. De tanto pressionarem, falei que tinha R$ 1 mil em casa”, conta a aposentada. Os falsos sequestradores convenceram a vítima a ir até uma agência bancária no Centro e, então, marcariam um ponto para entregar a filha e pegar o dinheiro. “Falei que não tinha carro, me mandaram pegar um táxi. Com o celular no bolso e sem desligar, fui a pé”, contou.

No Centro, ela entrou em uma loja e, no ouvido de uma funcionária, contou o que estava acontecendo e seguiu em direção à agência. Essa funcionária, então, entrou em contato com a Brigada Militar e passou todas as características da idosa, que estava muito nervosa. “Logo, vi um motorista estacionando e pedi por ajuda. Pedi carona até o banco e ele me deu. Foi um verdadeiro anjo”.

PM´S FRUSTAM GOLPE – Logo que entrou na agência, os policiais militares chegaram. Reconheceram a idosa e foram em direção a ela. Pegaram o telefone e convenceram ela que se tratava de um golpe. Os bandidos já haviam pedido para ela pegar papel e caneta, para anotar a conta para fazer o depósito. Os policiais, então, levaram a idosa até a casa da filha e constataram que estava tudo bem. “A gente ouve e sabem que essas coisas acontecem, mas na hora fiquei assustada. Fiquei com medo de que se eles estivessem com a minha filha, que fariam algum mal a ela. No fim, deu tudo certo e agradeço a todos que me ajudaram neste caminho: o motorista, a funcionária e os policiais militares”.

Leia também: