Dirigente do Grêmio reafirma “carinho” por Douglas, mas não banca permanência

Aos 36 anos, Douglas pode ter vivido em 2018 a sua última temporada com a camisa do Grêmio. Após duas lesões no joelho, o meia voltou a ficar à disposição durante o ano e não retomou a titularidade. Com contrato prestes a encerrar, ainda tem futuro indefinido.

Apesar de reafirmar todo o “carinho” que tem pelo jogador, o dirigente de futebol Alberto Guerra evitou bancar a permanência e deixou em aberto o futuro do “maestro” no Grêmio:

“Algumas avaliações internas são complicadas de colocar publicamente. Mas o que eu posso dizer do Douglas é sobre a história grande que ele tem no Grêmio. Em 2010 quando ele veio eu tive participação através do jurídico. Tenho muito carinho por ele. Nas minhas passagens pelo futebol do Grêmio, ele e o Grohe sempre estiveram. Então a gente tem que ter cuidado. Mas sei que não temos que renovar só por ter história ou serviços prestados. Tem que ter respeito. No momento oportuno a gente vai colocar a decisão a todos”, disse Guerra à Bandeirantes nesta quarta.

Além das lesões, Douglas perdeu espaço no Grêmio também pelo crescimento de jovens talentos como Jean Pyerre, que fechou 2018 como titular do time. O Vasco, que já teve o meia em 2014, surge como um dos potenciais destinos.

Douglas está em sua segunda passagem pelo tricolor e no total soma 133 partidas com 20 gols.