Boca procurou presidente do Grêmio por Kannemann e ouviu que zagueiro é “intransferível”

Apesar do interesse do futebol sul-americano, o Grêmio mantém posição firme e garante que Kannemann é intransferível. Além do Independiente, o Boca Juniors também demonstrou querer contar com o jogador e iniciou conversas com o tricolor gaúcho, que deixou claro que não iria se desfazer do defensor.

A revelação foi feita pelo presidente xeneize Daniel Angelici em entrevista à Rádio Continental, de Buenos Aires. Segundo ele, o mandatário gremista Romildo Bolzan Jr avisou que Kannemann era “intransferível”.

“Eu liguei para o presidente (Romildo), já que tenho uma boa relação, e ele me disse que é intransferível. Por isso, não mandei nenhuma proposta”, destacou Angelici.

“Não existem zagueiros centrais no mundo. Não é casualidade que os únicos que vendemos são dois centrais. Cada vez que saímos ao mercado, são sempre os mesmos: Palomino, Kannemann e Cuesta”, acrescentou.

Segundo o portal GaúchaZH, o Independiente apresentou uma proposta de 5 milhões de dólares e salário mais alto a Kannemann, mas o Grêmio reluta em liberar o jogador, cujo contrato vai até 2022.